Fissuras Orofaciais

Atualizado: Mai 11

Sejam bem-vindos ao meu fórum, aqui escrevo de tudo um pouco e nesse momento daremos atenção sobre a fisiopatologia das fissuras orofaciais.


A fissura labiopalatina é a malformação craniofacial congênita

mais comum, tendo sua prevalência em torno de um para 500 a 700 nascidos vivos. É comumente não sindrômico, tendo a fissura de lábio e palato mais frenquente, seguido de fissura labial isolada e fissura de palato isolada.


Existem diversas formas de classificar a fissura, eu particularmente utilizo a Classificação de Spina (1972). Spina descreveu a sua classificação correlacionando o tipo de fissura com o seu posicionamento em relação ao forame incisivo.

Dessa forma:

Classificação das fissuras labiopalatinas por Spina

Além de todas essas, ainda temos o correspondente a letra "I", que seriam as fissuras raras da face, porém, não está na tabela.


A sua etiologia pode envolver tanto fatores genéticos quanto ambientais. É uma área altamente complexa e sua base molecular ainda permanece desconhecida em sua maior parte.

As fissuras são subdividas em sindrômicas (30~40%) e em não sindrômicas (60~70%).


Fissuras sindrômicas

Ocasionada pela herança autossômica dominante onde o alelo portador da caracterítica é suficiente para expressar o fenótipo.

Exemplo:

Herança autossômica dominante

Síndrome de Van Der Woude

A mais comum entre as fissuras sindrômicas, desencadeada por mutações no Gene IRF6.

Apresentações clínicas mais comuns:

Hipodontia
Hipodontia
Covas ou "Pits" em lábio inferior
Covas ou "Pits"
Fissura de lábio e/ou palato
Fissura de lábio e/ou palato

Síndrome de Treacher Collins

Simetria afetada, malformação da orelha, perda auditiva, fendas palpebrais oblíquas,

Autossômica dominante,

Genes: TCOF1 (90%), POLR1D e POLR1C.


Pessoa portadora da síndrome Treacher Collins
Cena do filme "Extraordinário"
Cena do filme "Extraordinário"












Síndrome EEC - ectrodactlia, displasia ectodérmica

Distúrbios nas extremidades e na formação e função da pele,

Autossômica dominante

Gene: TP63 (3q27)

Síndrome EEC

Além de outras diversas manifestações associadas às fissuras.


Genes comumento afetados relacionados às fissuras

TGFA, TGFB2, TGFB3, FOXE1, FGF, GLI2, JAG2, SATB2,

LHX8, SKI, ERBB2, SPRY2, TBX10, MSX2 e IRF6.

Atualmente existem mais de 400 genes mapeados relacionados às fissuras craniofacias.


Fissuras não sindrômicas

Riscos na gravidez

As fissuras não sindrômicas não tem uma predisposição específica, a sua ocorrência se deve interação gene versus ambiente.


Estilo de vida vs Risco Genético vs Meio ambiente


Fatores genéticos

O modelo de herança multifatorial: interação entre fatores genéticos e ambientais.

Fatores ambientais e genéticos

Herança poligênica: vários pares de genes interagem para determinar uma característica, cada um com efeito aditivo sobre o outro.

Graças a esse tipo de interação existe uma variedade muito grande de fenótipos e genótipos para algumas características.

Herança genética

26% dos pacientes com FLP: histórico familiar

Gêmeos homozigóticos: concordância de 50-60%

Gêmeos heterogóticos: concordância de 5-6%


Genes homeobox

São genes importantes no desenvolvimento do crânio e da face, controlam a indução e a morte programada de células e a interação do mesênquima com o epitélio durante o desenvolvimento craniofacial.

Codificam proteínas que reprimem ou ativam a expressão de outros genes que regulam processo embriológicos que constituem a mensagem bioquímica dos genes homeobox para coordenação da migração celular e posteior interação celular que regulam o crescimento.

Fatores de crescimento de fibroblástico (FGF),

Fator de crescimento epidermal (EGF),

Fator alfa de transformação de crescimento (TGFa),

Fator beta de transformação de crescimento (TGFb),

Proteínas osteomorfogênicas (BMPs).


Genes envolvidos


Atuação dos genes no desenvolvimento craniofacial
Desenvolvimento craniofacial

Fissuras de lábio e palato: origens genéticas distintas.

Fissuras de lábio: foram mapeados 10 loci genéticos (OC 1 a 10) em diferentes cromossomos. Uma das mutações foi encontrada no gene MSX1, o mesmo gene envolvido na etiologia da agenesias dentárias.

Fissura de palato: gene TBX22


O que são fatores teratogênicos?

Gestante com bebida e cigarro nas mãos

Tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez.


Entre eles, podemos destacar:

* Bebida alcoólica,

* Cigarros,

* Medicamentos como corticóides e anticonvulsivantes.


Substâncias Tóxicas

Nitocina: A OMS atribui 20% dos casos de fissura labiopalatina ao tabagismo.

Uma mão fumante apresenta maiores chances de gerar um filho com fissura, em 1,3 a 2,3 vezes.

Álcool: Um consumo excessivo de álcool pode aumentar o risco de fissuras em 3,4 vezes diante do consumo de mais de cinco drinques por ocasião.

10% dos bebês con síndrome alcoólica fetal apresentam fissura palatina


O que são fatores Teratogênicos?


É tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez.

Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais.



Medicamentos

Copo de água com cápsulas e comprimidos de medicamentos ao lado

Anticonvulsivantes (Fenobarnial, Primidona): Mulheres que

utilizam drogas anticonvulsivantes apresentam um risco de 1% de gerar filhos com fissura,

Fenitoína (antiolfato): admnistração de drogas antiolfato apontam aumento na formação de fissuras,

Corticosteróides,

Sedativos (Benzodiazepínas, Diazepan),

Quimioterápicos.


Fatores nutricionais

Deficiência de certos suplementos ( ex: ácido fólico),

Tanto a baixa quando a excessiva dose de vitamina A são relacionadas com as fissuras,

OMS recomenda mais estudos sobre a influência das vitaminas na etiologia das fissuras.


Doenças infecciosas

Infecções virais (gripe, rubéola, toxoplasmose...),

Febre alto no primeiro trimestre de gestação.


Fatores emocionais

Gestantes submetidas ao estresse,

Aumento na secreção de hormônio da supra-renal.

Distúrbios maternos

Diabetes mellitus,

Hipotireoidismo.


Alterações uterinas

Malformação uterina,

Diminuição do fluxo sanguíneo,

Adolescentes com útero não totalmente formado.


Agrotóxicos

Placa com caveira escrito agrotóxico

Fenótipos combinados a exposição ocupacional materna = risco aumentado de fissura (1,37)

ExposiçÕes ocupacionais paternas = risco aumentado de fissura (1,16),

Qualquer exposição residencial = risco aumentado de fissura (0,77).



Ainda há necessida de realizar mais estudos considerando:

Avaliação de múltiplas vias de exposição dos pais,

Fenótipos etiologicamente homogêneos,

Suscetibilidade genética individual.



Gostou? Tem alguma sugestão de tema?

Envie um e-mail para raphaelmarcio@yahoo.com.br e deixe a sua contribuição!



Bibliografia Alves LU, Pardono E, Otto PA, Mingroni Netto RC. A novel c.1037C > G (p.Ala346Gly) mutation in TP63 as cause of the ectrodactyly-ectodermaldysplasia and cleft lip/palate (EEC) syndrome A novel . Genet Mol Biol. 2015 Mar;38(1):37-41.


Bennun RD, Stefano E, Moggi LE. Van der Woude and Popliteal Pterygium Syndromes. J Craniofac Surg.2018 Sep;29(6):1434-1436.


Freitas JA, das Neves LT, de Almeida AL, Garib DG, Trindade-Suedam IK, Yaedu RY, Laura RC, Soares S, Oliveira TM, Pinto JH. Rehabilitative treatment of cleft lip and palate: experience of the Hospital for Rehabilitation of Craniofacial Anomalies/USP (HRAC/USP)--Part 1: overall aspects. J Appl Oral Sci. 2012 Feb;20(1):9-15.


Garib DG, Silva Filho OG, Janson G, Pinto JH. Etiologia das más oclusões: perspectiva clínica (parte III)-fissuras labiopalatinas. Revista Clínica de Ortodontia Dental Press2010;9 (4).


Hao S, Jin L, Wang H, Li C., Zheng F, Ma D, Zhang T. Mutational Analysis of TCOF1, GSC, and HOXA2 in Patients With Treacher Collins Syndrome. J. Craniofac. Surg. 2016;27(6):e583–586.


Martelli, D.R.B. Machado, RA, Swerts, MSO, Rodrigues, LAM, de Aquino, SN, Júnior, HM. Non syndromic cleft lip and palate: relationship between sex and clinical extension. Braz J Otorhinolaryngol. 2012;78(5):116–120.


Queiroz. T. B. et al. Fatores de risco associados à etiologia das fissuras labiopalatinas não sindrômicas: revisão de literatura. Disponível em: <https://32cob.com.br/static/download/anais/Anais_31_COB.pdf>. Acesso em: 06 maio 2019.


Romitti, P. A., Herring, A. M., Dennis, L. K., & Wong-Gibbons, D. L. (2007). Meta-analysis: pesticides and orofacial clefts. The Cleft palate-craniofacial journal, 44(4), 358-365.


García AM, Fletcher T, Benavides FG, Ort Es, Parental Agricultural Work and Selected Congenital Malformations, American Journal of Epidemiology, 1999;149:64-74.




#fissura #fissuralabiopalatina #fissuracraniofacial #etiologiadasfissuras #anomalia #anomaliacraniofacial

32 visualizações0 comentário